Uma das coisas que sempre me fascinou no estudo de idiomas são as expressões idiomáticas. Elas estão quase sempre relacionadas à cultura do país ou do povo e, na maioria das vezes, não têm tradução equivalente em outros idiomas. Em muitos casos, são engraçadas e dão um colorido todo especial à frase. É sempre um desafio traduzir uma expressão idiomática sem perder o sentido original e sem deixar o texto ficar com “cara de tradução”.

Quando comecei a traduzir profissionalmente, resolvi colecionar expressões idiomáticas em inglês, que é o meu idioma de trabalho. Assim, caso surgisse alguma para a qual que eu ainda não tivesse uma tradução pronta, economizaria o tempo de pesquisa e imaginação.

Isso, é claro, me gerou outro problema. Tornou-se impossível assistir a um filme ou ler um livrou ou artigo na internet sem me deparar com expressões idiomáticas por todos os lados. E, a cada vez, a minha atenção se desviava para pensar em qual seria a melhor tradução.

Passei a carregar sempre um bloquinho e ia anotando todas elas, principalmente aquelas que tinham sido traduzidas de forma literal. Esse é o pior dos casos, na minha opinião. Uma expressão idiomática traduzida de forma literal deixa o texto, ou a fala no filme, totalmente sem sentido e rouba a nossa atenção.